A verdade prevalecerá

21 dezembro, 10:31

Este texto não é dirigido a ninguém em particular, afinal eu não quero ter meus bens confiscados novamente, mas é necessário ser dito que por mais que alguns tentem manipular a realidade para lhes favorecer, a verdade sempre continuará existindo e, mais cedo ou mais tarde, virá à superfície. Foram sete meses, mas eu não estou vencido. Este periódico ainda tem muito o que relatar antes do fim inevitável -meu ou dele ou de nós todos- e já tendo vencido o maior obstáculo à narrativa até agora, pretendo continuar o que me foi nefastamente negado quando suprimiram meu direito natural de expressão e ideias, recomeçando de um novo começo, olhando para frente através de olhos inchados e virando muito pouco para o passado com um pescoço por demais apertado e danificado mas não tão destruído quanto minha dignidade. Minha família me acha um louco, meus poucos amigos se afastaram, nobody knows you when you’re down and out, observou Robert Johnson e confirmo eu agora, no entanto ele se enganou ao afirmar que as pessoas o procuram quando você retorna e isso ainda não me aconteceu. Talvez meus poucos leitores continuem fieis, talvez? Difícil saber se além de meus inimigos mais alguém me lia mas acho que agora é a hora de descobrir, de ver o que acontece, de encarar as consequências que agora eu sei que existem mas jamais sem precisar me humilhar novamente pois agora eu sou forte, mais forte, mais sabido, mais vivido, sei o que pode acontecer e estou preparado, parar com os remédios e continuar minha vida, deixar para trás os últimos sete meses de humilhação subumana, reconquistar a confiança da minha família, voltar a trabalhar, tentar manter consciência o máximo possível, saber o que se passa, evitar as armadilhas e dizer as coisas como elas são e fazer novos amigos, confiáveis, que não vão me dar as costas num momento de necessidade e evitar novos inimigos que me atacam fisica, mental, emocional e materialmente. Lentamente vou publicar novamente os textos tirados do ar, exceto os que me deram maiores problemas ou então vou editá-los para diminuir o que quer que precise ser reduzido ou alterado porque preciso não mais sentir o que sinto, é muito estranho conviver com isso sabendo -como sou o único que sei e que posso saber- o que sei, as coisas que aconteceram e o motivo para todas elas acontecerem. O mundo é um lugar estranho, a apreensão causada é insuportável e saber que estou sendo observado só piora a sensação e eu sei que estou fazendo sentindo pelo menos para quem conhece o que eu sei sendo essas pessoas em pequeno número, especialmente agora, mas meu irmão deve ligar para mim a qualquer momento, eu espero. Eu estou de volta, espero que dure muito, mas a verdade está ao meu lado e a verdade prevalecerá!

Anúncios
%d blogueiros gostam disto: